Ex-alunos e professores se reúnem para reconhecer o passado e o presente do curso

A programação em homenagem ao cinquentenário do curso de Jornalismo na Universidade Federal do Ceará teve continuidade no Auditório da Adufc (Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Estado do Ceará) na tarde desta quarta-feira, 11.  O segundo dia de comemorações foi marcado pela alusão à importância histórica do curso, com exposição de projetos e produções de alunos e ex-alunos, além de homenagens a professores e servidores pelos serviços prestados à instituição.  

 

As atividades do dia foram iniciadas pela ex-aluna Aline Conde, que apresentou a monografia na qual discorreu sobre a importância de Lula para a campanha política de Elmano de Freitas, em 2012. Em seguida, as ex-alunas Aline Moura e Bárbara Almeida compartilharam um pouco da experiência que viveram ao visitarem uma penitenciária feminina durante o processo de produção do livro-reportagem “Auri, a Anfitriã”. A importância dos laboratórios de jornalismo impresso e multimídia também não foi esquecida. As alunas Ana Maria Rodrigues e Luana Mayara relembraram o aprendizado obtido durante a produção da 33ª edição da Revista Entrevista e do site Espiral, respectivamente.

 

Foto: Nah Jereissati

Aline Moura e Bárbara Ameida, durante a apresentação do livro-reportagem Auri, a Anfitriã.

 

 

Os projetos Gruppe TV e a Agência UniSports também foram apresentados. Theyse Viana e Larissa Wenya apresentaram o atual GruppeTV (antigo PeTV) e seu programa Conexões, que, ao longo das 13 edições, já conta com quase 40 reportagens; já Crisneive Silveira, Erick Bruno, Lucas Ribeiro, Didio Theorga e  Rodrigo Sávio apresentaram a Agência UniSports, que se disponibiliza a cobrir o esporte universitário em âmbito nacional, aproximando, assim, parte dos alunos à realidade do jornalismo esportivo.

 

50 anos de fatos históricos

 

Conforme dito pelo atual coordenador do curso, Rafael Rodrigues, no dia anterior, é de extrema importância a compreensão do passado para se pensar no futuro da profissão. Por isso, a mesa redonda mediada pela professora Mayara de Araújo reuniu a professora Adelaide Gonçalves, do departamento de História da UFC; Nilton Almeida, jornalista e doutorando em História; e o jornalista Inácio Aguiar, editor de fechamento do jornal Diário do Nordeste para debater sobre os principais eventos jornalísticos que ocorreram a nível regional, nacional e internacional desde 1965, ano em que o curso foi fundado.

 

Foto: Luciana Castro

 A jornalista  e professora Mayara de Araújo fala durante a abertura da mesa-redonda

 

 

“É muito importante para o trabalho jornalístico ter um conhecimento histórico. Não adianta, por exemplo, falar da seca como se fosse um fenômeno isolado, o jornalista precisa saber quais são as raízes daquilo. Isso dá realmente um peso diferenciado para a cobertura jornalística”, relata Inácio.

 

Na ocasião, a professora Adelaide Gonçalves, tendo abordado o período entre 1965 e 1985, ressaltou a importância do trabalho dos fotógrafos para o registro histórico que temos da Ditadura Militar Brasileira (1964-1985) e a corajosa atuação da imprensa alternativa na luta em prol da democracia.

 

Nilton Almeida, vice-presidente da Associação Cearense de Imprensa (ACI), pontuou acontecimentos locais entre 1985 e 2005 que exerceram forte impacto no trabalho e na mobilização dos jornalistas, como a histórica greve de jornalistas no Ceará, ocorrida em 1988, e a eleição de Maria Luiza Fontenele à prefeitura de Fortaleza (1986-1989).

 

Já o jornalista Inácio Aguiar citou, na última década (2005-2015), a cobertura multimídia como uma realidade assumida pelos veículos de comunicação e os desafios que esse modo de fazer jornalismo traz para os profissionais, como a profusão de informações e o curto prazo para checagem dos conteúdos.

 

Reconhecimento

 

Para concluir as solenidades, uma emocionante homenagem a quatro personalidades que contribuíram de forma ímpar para a solidificação do curso de Jornalismo na instituição levou alguns professores e alunos às lágrimas. Gilmar de Carvalho, Agostinho Gósson, Ronaldo Salgado e Márcia Vidal representam uma geração de profissionais que dedicou décadas de experiência e estudos para garantir a excelência na formação dos jornalistas cearenses. Manoel Florêncio, o servidor em exercício mais antigo do curso, também foi homenageado, representando os 7 servidores da casa. Para a professora Helena Martins, que ajudou a produzir as homenagens, esse foi um “ato de agradecimento e elogio àqueles e àquelas que se dedicaram à formação desse curso”. O dia exato do cinquentenário do curso também traz uma programação especial. Confira:

 

12 de novembro (Quinta-feira)

 

14h: Mesa redonda sobre jornalismo, expectativas e realidade.

Convidados:

Ana Naddaf (diretora-executiva da redação do jornal O Povo)                                          

Mauro Costa (sócio da AD2M Comunicação)                   

Dilson Alexandre (coordenador do curso de Jornalismo da Fa7)  

 

Mediação:

Naiana Rodrigues (vice-coordenadora do curso de Jornalismo na UFC)

 

16h: Coffee Break

 

16h30: Abertura do aniversário Jornalismo 50 anos

- Exibição de vídeo-documentário com depoimentos de profissionais que foram alunos do curso de jornalismo na UFC

- Fala da professora Adísia Sá, fundadora do curso de jornalismo da UFC.

- Fala do atual coordenador do curso de jornalismo da UFC sobre o presente e perspectivas do curso, Rafael Rodrigues.

- Fala de um estudante do curso sobre suas expectativas para a vivência da profissão e experiências proporcionadas pelo curso.

 

18h: Conferência sobre Ética, Tecnologia e novos modos de fazer Jornalismo

Conferencista: Rogério Christofoletti (UFSC)

 

19h: Coquetel de Confraternização

 

 

 

 

Please reload

Notícias recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Tags
Redes sociais